quarta-feira, 15 de junho de 2011

Como usar o sistema de saúde

Pra quem ainda não sabe no último dia 3 o Levi quebrou o braço. Não torceu, quebrou. Com direito a sair o osso do lugar. Mas, isso não vem ao caso e o menino está se recuperando bem e a proteção azul já está encardida! Um simples braço quebrado não é capaz de detê-lo

Queria falar um pouco mais sobre os atendimentos médicos que tivemos no Canadá.

Dados:
* 5 horas no hospital da criança para um atendimento de 20 minutos devido a uma virose. Demora absurda!
* 4 horas no hospital da criança para fazer todas as rotinas relacionadas com o conserto do braço - Tempo razoável.
* 1 hora em uma Walk In Clinic para um caso de garganta inflamada e virose. Bom tempo.

Conclusão:
Já falei isso 712 vezes, mas aí vai outra.
Hospital é para emergência. Febre, gripe, dor de garganta não é emergência. Se chegar no hospital com esses sintomas a triagem vai te colocar no fim da fila e todo caso mais grave vai passar na tua frente. Vai esperar mesmo! E muito!

O segredo quando tiver alguma coisa menos grave é procurar as Walk In Clinics. Aqui perto de casa temos 4, uma em cima da outra. Então, vamos de uma em uma até encontrar a mais vazia. Simples assim.

Esse foi o problema que tive com o sistema de saúde daqui: demora! É público e notório que existe um problema na área, mas a população pode minimizar usando os recursos de forma inteligente.

Quanto ao atendimento (minha experiência):
Até agora perfeito!
No hospital, enfermeiras atenciosas, capacitadas e educadas. Mesmo que o atendimento demore elas ficam te monitorando e examinando para checar se algo novo aconteceu com o seu caso.
O médico que colocou o osso do Levi no lugar fez um trabalho excelente. Calmo, preciso e eficiente.
Dias depois tivemos uma consulta para saber se estava tudo indo bem com o braço. Mais uma vez atendimento impecavél. Médico atencioso e paciente. Ainda recebemos uma aula gratuita já que ele aproveitou o caso para instruir os residentes.

Essa foi a minha experiência até agora. Claro que ainda não precisei de cirurgia ou tratamento de doenças mais sérias. Espero não precisar.

As notícias são de longas esperas para cirurgias marcadas ou tratamentos prolongados, mas espero não ter que passar por isso e continuar tendo apenas uma visão teórica desse tema.
Outra coisa que pode demorar: um corte que precise de pontos. Na testa, por exemplo. Isso porque não dá pra levar na Walk In e o hospital possivelmente vai tratar como caso menos grave.

Para ilustrar uma foto do anjinho da asa quebrada.

3 comentários:

Junior e Nara disse...

É a calça de pijama mais show que eu já vi.

dfmarx disse...

Tenho a mesma opinião que vc.
Depois de qse um ano em Mtl. não tenho muito do que reclamar.
Um amigo teve uma crise de pedra na visícula, coisa que ele não tinha idéia, começou com uma dorzinha e só ia piorando. Foi para o hospital no começo da noite quando ficou insuportável. Foi prontamente diagnosticado e passou pela cirurgia na mesma noite.
Saíu um dia depois com uns furos na barriga. Atendimentoi impecável.

Melhor dica é usar com inteligência!

Abç!
Daniel

Alexei disse...

Tenho 3 relatos de cirurgias aqui em Québec cujos atendimentos foram rápidos e sem nenhuma reclamação. Como já disse outras vezes, acho que as cidades menores tendem a ter melhores sistemas de saúde.